memo

eu perdi as contas de quantas vezes tive que explicar o que eu sentia. eu perdi as contas de quantas vezes eu tive que escutar que eu não era clara. uma das coisas que mais me dá medo é não ser entendida e, por mais que eu sentisse que estivesse gritando a plenos pulmões, parecia que eu estava berrando para o nada. muitas coisas podiam dar errado e eu só escolhi aceitar que, se desse mesmo errado, eu não poderia prever o futuro de ninguém.

eu não sei o que me incomoda mais, eu só sei o que me incomoda agora. o espaço que ocupou/ocupava na minha mente era inegável, mas o que eu tentei deixar todo esse tempo de lado era minha incapacidade de vocalizar e colocar para fora qualquer coisa relacionada a ela. era como se eu tivesse vivido tudo dentro da minha cabeça, um delírio da minha imaginação e é assustador acreditar que eu cheguei a esse ponto.

até escrever sobre ela é complicado. as frases não parecem querer ser completad

eu estava satisfeita com respostas e o sentimento no escuro.

eu não queria nada disso, eu não quero nada disso. e nada mudou.

será que é realmente tão diferente das personagens que eu criei?

memo